EDUCAÇÃO

Chamada aberta até o dia 31/08 de 2022

 

Temática/tema: Práticas de docência: 10 anos do curso de licenciatura em dança da  Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia 

Organizadora:

Iara Cerqueira Linhares de Albuquerque  (Professora Adjunta do Departamento de Ciências Humanas e Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Docente no Curso de Licenciatura em Dança e Teatro. Colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens - PPGCEL. Doutora em Comunicação e Semiótica – PUCSP. Mestre em Dança – PPGDANCA – UFBA. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos do Corpo - GPNEC (CNPq/UESB)).

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7913529993809727

Resumo:

O curso de Licenciatura em Dança da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia cujo campi se localiza em Jequié – Bahia, é o primeiro curso de Licenciatura em dança do interior. Tem como uma das suas propostas de formação o entendimento da necessidade de produção de relações mais próximas, dinâmicas pautadas na motivação e valorização da escuta dos sujeitos discentes que ocupam esses espaços. Assim, investigamos analogamente a conjuntura que se inserem e cujo ensino assumam papel central, quando formados. Busca-se nesse livro articular e discutir temas que atravessam a prática docente apostando na educação como tessitura de resistência em tempos escassos, de modo a promover também reencontros e compromissos com relações horizontais e ecológicas(RUFINO, 2021) nesse ambiente. Em 2022 comemoramos 10 anos de atividade acompanhando grandes transformações sociais, inclusive de uma crise sanitária, além de desafios diante das diversidades em busca a uma partilha continuada de corpo no mundo (BASTOS, 2020). Nesse contexto serão aceitos trabalhos que dialoguem e/ou apresentem ações na área, a partir de experiências que confluam didaticamente com suas práticas pedagógicas e artísticas, assumindo uma luta por uma postura consciente diante de um projeto de formação comprometida com questões de mundo e da vida. Podem submeter artigos docentes e ex-docentes do Curso de Licenciatura em Dança da UESB.

Palavras-chave: Educação, Curso, Dança, Conjunto, Prática Pedagógica.

Referências:

BASTOS, Helena. Corpo sem vontade imerso em coisas vivas. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/rascunhos/article/view/55694 . Acesso em 02.04.2022.

RUFINO, Luiz. Vence-demanda: educação e descolonização. 1Ed – Rio de Janeiro: Mórula, 2021.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia 31/08 de 2022

 

Temática/tema: II Convocações em dança: conexões indisciplinares na práxis profissional

Organizadoras:

Iara Cerqueira Linhares de Albuquerque  (Professora no Departamento de Ciências Humanas e Letras nos cursos de Licenciatura em Dança e Teatro da UESB. Doutorado em Comunicação e Semiótica, PUC/SP (2016). Mestrado em Dança - PPGDanca/UFBA (2010), Graduação em Licenciatura e Bacharelado em Dança (1999), com Especialização em Fisiologia do Exercício UNEB/BA (2003). Coordena o Grupo de Pesquisa GPNEC – Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos do Corpo – UESB(CNPq/UESB) e o grupo de Dança Sonho de Valsa.).

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7913529993809727

Rousejanny da Silva Ferreira  (Professora  do Instituto Federal de Goiás atuando na Licenciatura em Dança e Mestrado Profissional em Artes Prof-Artes. Coordena os projetos de pesquisa em dança Corpo Composto e Balé do Encontro na mesma instituição. Editora-Chefe da revista científica em Artes - Incomum e avaliadora de outras revistas científicas no Brasil. Doutoranda em Artes pela Universidad Nacional de las Artes - UNA, Argentina.Tem mestrado em Performances Culturais (UFG), especialização em Filosofia da Arte (IFITEG/UEG), especialização em Pedagogias da Dança (PUC/GO) e graduação em Educação Física (UEG)).

Lattes http://lattes.cnpq.br/4255902574877162

Resumo:

Como dizia Paulo Freire “É preciso diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, até que num dado momento, a tua fala seja a tua prática”. Compactuando com essa afirmação e buscando dar continuidade na primeira ação CONVOCAÇÕES EM DANÇA: CONEXÕES INDISCIPLINARES NA PRÁXIS PROFISSIONAL, nossa luta continua atravessando diálogos e buscando conhecer e partilhar outras investigações em dança que emerge de ações diárias e não dicotômicas entre artistas, pesquisadores, professores, coordenadores e participantes de grupos de pesquisa, como provocadores de acionamentos a ações políticas e/ou agenciamentos pedagógicos e contra a precariedade da educação. Como espectros nesse espaço comunicacional nos colocamos juntas, juntos e juntes lutando por conexões indisciplinares (GREINER, 2005) como a dissolução dos limites das disciplinas, entendidas aqui como normas ou categorias de estudos fechadas em si mesmas e, portanto, sedentas a convocar proposições nessa demanda que nos espreita (RUFINO, 2021) com reflexões, crítica e elaborações de conhecimento em suas variadas referencialidades.

Palavras-chave: Dança. Professores. Prática. Estudos. Pesquisadores.

Referências:

GREINER, Christine. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.
RUFINO, Luiz. Vence-demanda: educação e descolonização. 1Ed – Rio de Janeiro: Mórula, 2021.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia 31/10 de 2022

 

Temática/tema: O retorno pós-pandemia de COVID-19: Psicologia e Educação

Organizadora:

Iara 

Lattes: h

Resumo:

A pandemia do coronavírus COVID-19 infligiu ao mundo globalizado um rompimento da vida comum, evidenciando a vulnerabilidade social e as desigualdades de nossa sociedade capitalista. Sentimentos como medo, fragilidade da vida humana e a morte, se fizeram cada vez mais presentes, exigindo também um trabalho de luto. Nesse sentido, outras dimensões foram afetadas, como o campo da Educação. Medidas como o isolamento social e o fechamento das escolas, acentuaram tais vulnerabilidades e sentimentos, tendo efeito direto no campo educacional. Estima-se que mais de 1,5 bilhão de estudantes foram afetados, correspondendo a 91,4% da população estudantil do mundo, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (2020). A psicologia contribuiu com a concepção de subjetividade humana nas mais diversas áreas do conhecimento, entre elas o campo da educação. Possibilitando outras formas de intervenção no processo de ensino e aprendizagem, no qual a dimensão subjetiva dos alunos e professores tem papel imprescindível na efetivação da função social da escola – ensinar e educar. Dentro da Psicologia, há inúmeras abordagens teóricas que versam sobre a subjetividade humana, entre elas a Psicanálise. Para a psicanálise a subjetividade humana é compreendida a partir da noção do sujeito do inconsciente. Nesse sentido, o inconsciente é estruturado como uma linguagem, em que a palavra se faz via de acesso a ele, ou seja, “é uma cadeia de significantes que em algum lugar se repete e insiste, para interferir nos cortes que lhe oferece o discurso efetivo e na cogitação a que ele dá forma” (LACAN, 1995, p. 813). Em decorrência desse pressuposto, temos um sujeito do inconsciente que surge como ato de resposta, um efeito da linguagem, sendo concebido a partir dela em relação de alteridade com os outros e o Outro. Em vista do exposto, se faz necessário refletir sobre a educação no mundo atual pós pandêmico e o retorno presencial do ensino. Tendo como ponto de partida a subjetividade, a partir do conceito de sujeito do inconsciente, e a sua articulação com o campo educacional. Desta forma, esta coletânea tem como objetivo agregar trabalhos que se debruçam sobre a educação pós pandêmica considerando a dimensão subjetiva dos sujeitos ali envolvidos.
Palavras-chaves: Educação; COVID-19; psicologia; subjetividade; psicanálise.

Referências:

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Coalizão global de educação. 2020. Disponível em: https://pt.unesco.org/covid19/educationresponse/globalcoalition.
LACAN, J. Subversão do sujeito e a dialética do desejo. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia  31/10 de 2022

Temática/tema: Avaliação Educacional: práticas, políticas e debates contemporâneos

Organizador:

Prof. Dr. Roberto Araújo da Silva  (UNILUS/FATEF)

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4101520993652162

Resumo:

A avaliação educacional é uma prática pedagógica que envolve disputas entre princípios, recursos e objetivos éticos e políticos. A educação é fenômeno social multidimensional que oferece condições formativas para o exercício da cidadania, da vida profissional e do cuidado de si em sujeitos diversos. Nas últimas décadas a avaliação tem recebido maior atenção por parte da sociedade, especialmente por pesquisadores, formuladores de políticas públicas e professores. Esse gesto motiva-se com a emergência e difusão de avaliações em larga escala, o surgimento de novas políticas educacionais, bem como novas tecnologias da informação e comunicação que possibilitam alterações em práticas avaliativas. Esta obra reúne textos oriundos de estudos que discutem a avaliação educacional, a partir da articulação entre múltiplas perspectivas teórico-científicas. O livro busca contribuir para a compreensão da avaliação enquanto prática pedagógica e colaborar na (re)formulação de políticas públicas dessa área.

Palavras-chave: Avaliação Educacional. Políticas Educacionais. Práticas pedagógicas.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia  30/11 de 2022

Temática/tema: Interdisciplinaridade na Educação Básica: teorias e práticas no contexto escolar.
 

Organizador:

Jorge Williams Cunha Ferreira (Mestre em Educação em Ciências e Matemáticas - UFPA)

Lattes:  http://lattes.cnpq.br/9385235380504812 

Resumo:

A visão fragmentada e unilateral do conhecimento se manifesta como paradigma vigente do processo educacional. O ensino, nessa visão, é compreendido em uma perspectiva compartimentada, no qual os saberes dos variados campos científicos atuam de forma isolada e hierarquizada, sem nenhum diálogo iminente, compreendendo-se, assim, uma visão disciplinar da educação. Em contraposição a esses, emerge o paradigma da interdisciplinaridade, que busca o diálogo e a interação dos variados saberes em face de um denominador comum. Não há uma concepção global propriamente cunhada ao termo, contudo podemos assumir que a interdisciplinaridade visa congregar as “verdades” de cada campo do conhecimento, respeitando sua nuances e complexidades, em prol de uma integração dialogada para o tratamento de temas relevantes e de interesse de uma sociedade. Para Fazenda (1979), a interdisciplinaridade envolve uma relção mútua e recíproca, que atua em oposição ao conhecimento privilegiado advindo das classes dominantes detentoras do poder. Na mesma linha de pensamento, Japiassu (1976) afirma tratar-se a interdisciplinaridade de uma maneira de encarar a repartição epistemológica do saber. Pressupõe, portanto, uma atitude diferente frenta a problemática do conhecimento, que resulte de um trabalho perseverante e corajoso. Assim, a interdisciplinaridade é de fundamental importância na constituição da prática pedagógica do professor, em especial da Educação Básica, tendo em vista que o projeto de educação da contemporaneidade requer uma visão crítica e holística do conhecimento no sentido de proporcionar uma formação integral do cidadão. Nesses termos Esperamos com esta proposta temática abarcar as múltiplas perspectivas e olhares para a Interdisciplinaridade na Educação Básica, que dialoguem, preferencialmente, múltiplos enfoques teóricos com possibilidades de práticas pedagógicas diversificadas. Aceitaremos trabalhos de pesquisadores das áreas de Educação e Ensino, com também de pesquisadores em nível de treinamento de mestrado e/ou doutorado desenvolvidos nas referidas áreas. Estendemos, também, o convite a trabalhos oriundos de estudantes iniciantes a pesquisa científica de graduação e pós-graduação lato sensu (esepecialização).

Palavras-chave: Interdisciplinaridade. Prática pedagógica. Educação.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia  30/11 de 2022

Temática/tema: Arte em trânsito - transformações artístico-pedagógicas no ensino remoto

Organizador:

Pr

Lattes: h

Resumo:

Transformar a práxis para transitar linguagens foi um dos maiores desafios dos educadores no contexto afetado pela Covid-19. Se para a escola o cenário era desafiador, maior era o desafio para a área de artes, cuja experiência é comprimida pela clausura do corpo. Repensar a fruição/experimentação em arte mediada pelas Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) era um trabalho urgente, e para muitos educadores a aproximação com essas tecnologias levou a novos letramentos e modos de construir conhecimento(CANI et all 2022, p.30). Nos interessa saber como a arte resistiu e se reinventou a partir das TDIC, considerando diferentes condições de acesso e os atravessamentos de cada contexto.

Palavras-chave: Arte, Educação, TDIC.

Referências:

ACASO, M. & Megías, C.(2017) Art Thinking: Como él arte pode transformar la educación. Paidós Ibérica.

CANI, J. B. et all. EDUCAÇÃO E COVID-19: A ARTE DE REINVENTAR A ESCOLA MEDIANDO A APRENDIZAGEM “prioritariamente” PELAS TDIC . Revista Ifes Ciência , [S. l.], v. 6, n. 1, p. 23-39, 2020. DOI: 10.36524/ric.v6i1.713.

GIL, José. O medo. Texto 01 série #PandemiaCrítica, março 2020.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.

Chamada aberta até o dia 30/11 de 2022

Temática/tema: Estudos Linguísticos e Literários da Língua Brasileira de Sinais

Organizadoras:

Ms. Jéssica Rabelo Nascimento (UFMS)

Lattes:  http://lattes.cnpq.br/8687999827716708

Ms. Taís Turaça Arantes (UFRJ)

Lattes:  http://lattes.cnpq.br/1629769830872862

resumo:

A Língua Brasileira de Sinais - Libras – obteve seu reconhecimento com os estudos de Stokoe (1960), provando que se tratava de uma língua natural assim como as línguas orais, de acordo com Quadros e Karnopp (2004), as línguas de sinais possuem níveis linguísticos fonológico, morfológico, sintático, semântico e pragmático. Sendo uma língua capaz de expressar pensamentos e emoções, considerando todas essas características, este livro, intitulado “Estudos Linguísticos e Literários da Língua Brasileira de Sinais”, busca textos que tenham a temática relacionada ao Estudos Linguísticos sobre a Libras e Literatura Surda nos seus diversos aspectos.

Previsão para publicação: 90 dias após encerrar a chamada.

Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail bordogrena@editorabordogrena.com contendo no campo "assunto" o tema para o qual o estudo será submetido.

Consulte as normas de publicação.